Wednesday, November 12, 2008

O que é ser Mulher Moderna?

Tenho ouvido no quotidiano a expressão “mulher moderna”. Por diversas vezes me pergunto o que significa ser uma mulher moderna? Será que as outras mulheres são mulheres da antiguidade, da idade média, ou da idade contemporânea? Creio que esta última interrogação que me faço tem razão de ser porque se utilizamos uma certa época histórica para definir e diferenciar mulheres, logo faz sentido pensar que as outras mulheres pela sua forma de pensar e agir pertencem a outras épocas históricas.

Mas o que diferencia as “mulheres modernas” das outras? Nas conversas que tenho ouvido, mulher moderna é aquela que a sua conduta não se pauta pelos valores de socialização que a maior parte das mulheres foram inculcadas, salientando-se de entre essas outras mulheres as suas mães e avós.

A mulher moderna pelos discursos que tenho ouvido no quotidiano coloca em primeiro lugar a sua profissão e interesses. Outro dia ouvi alguém dizer: “andas desaparecida”! E a outra pessoa respondeu: “não há tempo. Sabes como é ser uma mulher moderna”.

Confesso que fiquei sem perceber o que seria uma mulher moderna porque a julgar pelo tempo, acho que ninguém tem tempo suficiente a não ser que o crie em função das suas prioridades. Se quisermos definir mulher moderna em função da disponibilidade de tempo, toda gente é mulher moderna.

Conforme me referi no meu artigo: rural: localização espacial ou modo de vida?, o ser humano tende a categorizar coisas e pessoas. Na minha opinião, os indivíduos do sexo feminino passam por um processo de socialização para se tornarem mulheres uma vez que não é algo inato porque de acordo com Simone Beauvoir: “uma mulher não nasce mulher, mas torna-se mulher”.

O ser mulher moderna ou não ser creio que não é a questão porque independentemente dos processos de construção do ser mulher nas mais diversas sociedades, todas o acabam sendo.

O termo mulher moderna a meu ver é fruto de uma categorização que tem em vista diferenciar e hierarquizar indivíduos. Não nego que esse termo encontre enquadramento nalgum contexto social específico, mas acho que algumas pessoas no nosso meio o utilizam de forma abusiva sem perceber o que ele significa e sem que ele se coadune com a realidade ou com as realidades sociais diversas existentes em Moçambique.

Confesso que sou uma das pessoas que desconhece o significado desse termo. Se alguém souber, peço que me elucide a respeito.

8 comments:

Patricio Langa said...

Nyikiwa.
Parabéns pelo teu blog.
Dei uma vista de olhos nos textos e estão interessantes.
Vamos debater muito.
Boa sorte.

Nyikiwa said...

Caro Patricío,

Obrigada pela sua visita e comentários. Vamos debater, sim.

Cumprimentos,

Nyikiwa

X!mb!t@nE said...

Gostei desta abordagem! O que é ser mulher moderna? Muitas interpretaçoes sao dadas a isto, das quais algumas narras.

Outro aspecto, que "identifica" as ditas mulheres modernas é a forma como se apresentam, isto no aspecto fisico/estetico. Francamente, agora mais do que nunca gostaria de perceber o que é uma mulher moderna.

PS: Vai ver que daqui a pouco as bloggers se considerarao mulheres modernas, heheheheh

SHIRANGANO said...

Oi Nyikiwa, chaguei aqui através do blog da Ximbitane.

Indo ao texto, bem... o teu tema é bastante interessante. Há dias conversava com dois colegas sobre o tipo de mulheres que eles desejavam casar (eu sou casado). Um disse que iria a sua terra natal (Niassa) buscar uma “miuda”( foi esse termo que usou) e outro disse “amigo não vale apena investir numa campestre, case uma mulher moderna”. Na opinião dele, mulher moderna é uma mulher com curso superior.

Na minha opinião o que distingui uma mulher moderna da outra é o seguinte: as outras mulheres só sabem fazer três coisas:
- cozinhar, tratar muito bem o marido e os filhos
-pedir dinheiro para dar a mãe
- e dizer que sal ou açucar acabou.

Enquanto “as modernas” para além de cozinhar e tratar bem do marido e os filhos, dão a sua opinião nos projectos do marido e contribuem com idéias sábias. Quando levas trabalho para casa podes pedir uma ajuda. É uma verdadeira companheira. Não existe aqui uma veneração ao marido ou uma relação de “patrão-empregada” como acontece com as outras. Portanto, considero a minha esposa uma ”mulher moderna”.

Chacate Joaquim said...

Nyikiwa, aqui há muito que debater só não sei se me resta tempo para o efeito.

olha a primeira coisa que devo adiantar é que Modernismo tem uma relação intrinseca com a civilização, cultura, progresso, racionalidade e técnica etc.

Em segundo lugar, seria de vermos analogicamente se a Mulher fora dos traços característicos que todas tem quais as outras por exemplo ao nível do já enumerei que separa a mulher de 1849 e de 1970 por exemplo.

Acredito que encontramos traços que nos podem permitir uma longa reflexão. sem querer ir pela via do SHIRANGANO que também é aceitável, "o moderno é relativo"

Bjs

Nyikiwa said...

Caro Chacate,

Muito obrigada pela sua visita e comentário! De facto existem traços distintivos entre mulheres que vivem e são socializadas em épocas diferentes, mas conceber a mulher moderna a partir da ruptura com os valores de socialização das suas anrecessoras como tenho ouvido no quotidiano é na minha opinião perder a riqueza dos valores novos que se incorporam nos preexistentes, pois acredito que o fenómeno mulher moderna no nosso contexto também é produto de uma aculturação, se entendermos aculturação como a coexistência de duas ou mais culturas. Estou a querer dizer que não ocorre uma ruptura total com os valores das gerações predecessoras.

Concordo que o modernismo postula civilização, arte, progreso e evolução, mas assim sendo será que as mulheres que viveram noutras épocas históricas são menos civilizadas que as modernas?

Concordo em género, número e grau que a noção de "mulher moderna" é relativa.

Nyikiwa

Chacate Joaquim said...

"...mas assim sendo será que as mulheres que viveram noutras épocas históricas são menos civilizadas que as modernas?"

Nyikiwa, se tivermos que colocar a Mulher de uma época numa conjuctura diferente veriamos defecto que uma de uma determinada época direfenrente é inculta nesse determinado contexto. tal como estamos autorizados a não concordarmos quando se chama civismo a algo ou atitute (ruptura com os valores de socialização) que não é característico da sociedade moçambicana. é por aí.

Espero ter encontrado consenso na sua questão.Bjs

Chacate Joaquim said...

Kmè? a mãe da negretude nunca mais volta? Bj