Sunday, August 23, 2009

Educação (escolarização) e Desenvolvimento

Neste artigo pretendo debruçar-me sobre a relação entre a educação no sentido escolarização e o desenvolvimento de um País. Muitas correntes de opinião advogam que para os países desenvolverem precisam indispensavelmente de ter população escolarizada.
Segundo Werthein (2003) ao analisar países bem-sucedidos, como a Irlanda, a Espanha e a Correia do Sul, que há 30 anos enfrentavam sérias dificuldades sócio- económicas, se nota que em comum são nações que fizeram o dever de casa, priorizando o ensino de qualidade de sua população. Como recompensa, são países que registram hoje alto nível educacional, crescimento económico, aumento da renda da população, maior volume de exportações e melhoria no nível do emprego, além de respeito internacional. Já alguns países como o Brasil e o Perú, que deixaram de promover as reformas educacionais na devida época, apareceram na pesquisa com resultados insatisfatórios e preocupantes. Este princípio é em nossa opinião verdadeiro, mas não aplicável a todos os contextos.
Cremos que o desenvolvimento é algo integrado e não se limita somente à educação. Até onde sabemos, os relatórios de desenvolvimento humano não focalizam sua atenção somente no factor educação (escolarização), mas combinam-no com outras áreas tais como: Estado, saúde, governação, democracia, entre outras.
Não encaramos a escolarização como algo mau, mas consideramos que seja necessário notarmos que a escolarização é fruto de um contexto específico, que foi transportado para os demais contextos e conseguiu se impor por diversas razões.
Os “Tigres Asiáticos” que são tidos como exemplo de desenvolvimento no seio dos países considerados de terceiro mundo, combinaram as suas lógicas locais de funcionamento com alguns princípios utilizados noutros contextos tais como: dedicação ao trabalho, auto-estima, entre outros.
A pessoa que não passou pelo processo de escolarização é vista como incapacitada de participar do processo de desenvolvimento, de lidar a novas tecnologias de comunição e informação, bem como interagir na aldeia global em que se transformou o nosso planeta.
A escola é tida como o lugar de excelência da educação e a única instituição que tem o mérito de educar, desconsiderando de certa forma as outras formas de educação. A noção de desenvolvimento é em si polissêmica. Para uns desenvolvimento é ter bons hospitais, há quem considere que é ter comida, um bom carro, etc…
Ouvi falar do episódio de uma senhora que veio a Moçambique para fazer o seu trabalho de campo com vista à obtenção do grau de doutoramento. Ela dirigiu-se a uma província e encontrou um pescador a quem fez um lote de questões. O pescador só respondia não às questões da doutoranda. Já cansada de tanto questionar, ela agradeceu e despediu-se.
O pescador interrompeu a marcha da senhora e foi tirou de cada vez um tipo de peixe que trazia no cesto. À medida que tirava cada peixe perguntava à senhora se sabia que tipo de peixe era aquele.
Depois dessa experiência, a doutoranda confessou que recebeu uma lição que jamais esquecerá. Todas as pessoas têm o seu conhecimento e atribuem significados diferentes e por vezes que coincidem à realidade circundante.

4 comments:

Egídio Vaz said...

uma bela provocação ao debate. porém, ainda não percebi se a relação educação-desenvolvimento não é directa para o nosso caso. aguardo pela tua réplica.
E.

Anonymous said...

Tambem achei interessante a proposta de debate.

I Chire

Anonymous said...

precimamos tanto para recuperar o ensino moçambicano, nao podemos continuar assim como esta se necessario um dia de reflexao ai seria bom

Anonymous said...

Eu subscrevo a tese que advoga que o desenvolvimento de qualquer pais esta relacionado ate certo ponto a escolarizacao da populacao do referido pais. duas razoes me leva a pensar desta maneira
1 o conhecimento que a populacao em geral tem e valida mas carece de alguma coerencia cientifica para melhorar a sua aplicao
2 Mesmo em paises que nao deram tanto enfoque a qualidade de ensino, estes se encontram no patamar em que estao gracas ao papel que a pequena massa escolarizada tem na aplicacao do conhecimento popular, afinal a escola nao e um meio de exclusao de conhecimentos mas sim da veracidade das mesmas.eu costumo dizer que a populacao dita analfabeta esta dotada de muito conhecimento mas nao sabe dizer porque o aplicam dai a importancia da escola. uma coisa e ter muita informacao e nao sabermos aproveita-las e outra e simplesmente ignora-las.deixando disto cada ensino no seu contexto la isto e verdade, eu que o diga no entanto vou dar um exemplo muito simples a maquina de rega produzida por um mocambicano depois foi aperfecoada por uma empresa que dependia de pessoas escolarizada aqui o importante e unirmos o conhacimento popular ao conhacimento escolar e no nosso caso temos ideias so que falta asu a implementacao, por exemplo o curriculo local e um exemplo de que estamos a tentar unir a educacao ormal com a dita informal